quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Depois do afastamento, sou uma pessoa necessitada de actualizações blogosféricas. Alguém que me ajude: que blogues ler agora?

sábado, 20 de fevereiro de 2016

Fui, ontem, jantar a casa de amigos. Como os convidados são gente dada a viagens e Cuba foi tema de conversa, na TV foi passando um documentário a propósito de Compay Segundo. No exacto momento em que me sentei em frente à televisão, explicavam-se os benefícios de  fumar um _ e apenas um _ charuto por dia. It's bad to drink a lot, smoke a lot and love a lot, lia-se nas legendas.
Eu que, contrariamente ao habitual, já tinha bebido um copo de vinho e fumado três cigarros, levantei-me de imediato para ir arejar. Quanto à parte do to love a lot, não precisava de ser alertada. O universo tem, no entanto, formas tortas de nos enviar mensagens certas.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

terça-feira, 16 de fevereiro de 2016


Só isto para desvitalizar um corpo a explodir de dor. Isto e o pôr-do-sol ao atravessar a VCI. São as coisas pequeninas. As coisas pequeninas que nos amparam.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

Vim cá hoje decidida a apagar o blogue. Não fui capaz e isso talvez signifique alguma coisa.

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

sábado, 18 de julho de 2015

Voltei. Só hoje.


Apenas para dizer que o Criolinho vai estar amanhã na Casa da Música. Eu serei a pessoa com a baba a escorrer. Algures numa fila perto do palco.

sábado, 18 de abril de 2015

Estou, em idade cognitiva, ao nível de adolescentes de 16 anos. Eu e a fila de 10 miúdas (elas, de facto, em plena puberdade) imediatamente sentadas à minha frente para ver o Furious 7.

quinta-feira, 16 de abril de 2015

O Bruno Cabrerizo apareceu na televisão. Estava sentada à mesa com os meus pais e devo ter comentado algo sobre o facto de ele ser o homem do momento. A minha mãe acrescentou que ele dançava bem. "Brasileiro faz tudo bem nesta vida!", atirei eu de sorriso maldoso. Fez-se um silêncio constrangedor à mesa. Só aí percebi o alcance do meu comentário. A conversa devia ter-se cingido à dança.

domingo, 12 de abril de 2015

Levei a cabo terríveis esforços informáticos para aqui publicar uma música de Lully. Não fui capaz. Ou o blogger.com tem alguma coisa contra o Barroco ou eu já não percebo mesmo nada disto.

sexta-feira, 10 de abril de 2015

Já agendei posts e apaguei. Já tive muita, muita, demasiada vontade de cá vir escrever. Já me esqueci que isto existia. Já tive a certeza que isto estava terminado. Estou há mais de uma hora em frente ao computador a tentar tomar uma decisão. Não me desintegrei nas corridas. Não desapareci. Não me apaixonei. Não há nada de diferente na minha vida. Nada de terrivelmente bom. Nem de incrivelmente mau. Só este estar como o tolo em cima da ponte. E apenas no que respeita ao blogue.

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Participei ontem num trail de 15 quilómetros. Registem as minhas palavras: nunca mais! Sou, no momento em que vos escrevo, um pessoa inválida. De botija de água quente nas costas e a rezar a todos os santos por um milagre que me leve as dores. O trail, esse, correu muito bem, obrigada. Ao final de 1 quilómetro de percurso já me tinha dado o fanico, já se tinham oferecido para me desnudar (acharam que eu exagerara nos agasalhos) e já tinham sugerido que eu poderia estar grávida. Ao final de 5 quilómetros, achei que poderia ter a bacia deslocada e comecei a perguntar se ainda faltava muito para a meta. E, pronto, assim se fizeram os restantes 10 quilómetros. Arrastada. Literalmente. E alvo de muita chacota.

domingo, 8 de fevereiro de 2015

Duas amigas falavam sobre a forma entusiasmada como os namorados/maridos estavam a fazer a colecção de um faqueiro do Continente. Assisti a toda a conversa e só me ocorreu pensar que um homem que colecciona facas do Continente só pode ser um homem para manter. Incrédula, perguntei-lhes onde é que elas os arranjavam. Olhas para um grupo de homens e procuras o mais totó. É esse. Conhecendo-me como conheço, vou mesmo ficar sozinha. 

terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

Não consigo, por algum motivo que desconheço, colocar aqui o vídeo, mas sigam o link pela vossa saúde. Rui Unas sobre Criolo. Espero que, depois de terminar a entrevista, o tenha sufocado de abracinhos meus.

domingo, 1 de fevereiro de 2015

Estava na secção (estante, para ser mais precisa!) de Poesia da Bertrand do Dolce Vita, quando me ligou um amigo. Disse-lhe que andava a ver poesia. Ele repreendeu-me ligeiramente: mas tu não estavas doente? Respondi: Sim, mas não dizem que a poesia cura? Pelos vistos, não. Os sintomas gripais agudizaram-se hoje.

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Dizia-me uma amiga que o sobrinho fez, há dias, 18 anos. Andava em busca de Bukowski para lhe oferecer no aniversário. Não tendo encontrado, optou pelo Lord of the Flies. Questionei-a se não seria um livro demasiado duro para um miúdo de 18 anos. Explicou-me de forma convicta que ele é um miúdo maduro, que aguenta. Não me persuadiu. Refinados gostos literários aos 18 anos; está ali a génese de um monstro. Socialmente inapto ou intelectual safado.
Se não foram ontem ao Coliseu ver Abrunhosa, perderam o concerto de uma vida. Se vão hoje ao Armazém F ver Criolo (tenho um desgosto do tamanho do mundo por  não estar lá), atirem-lhe beijinhos... barulhentos e repenicados. Aproveitem para lhe comunicar que há gente revoltada por ele não ter vindo ao Porto. Ainda estou para saber como é que ele vai compensar essa falha. 

sábado, 17 de janeiro de 2015

Vou abolir os finais de tarde chuvosos de Inverno. Vou acabar com mantas, velas acesas, livros e chás quentes. Vou impedir o Seu Jorge de me dizer que tem um Brasil que faz amor e tem o outro que mata. Vou arrancar este meu coração. Vou arranjar um novo que este já não presta.

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Um amigo comentou algo a propósito de Caminha. Fiz questão de lhe dizer que Caminha tem um restaurante no centro onde servem umas costelinhas soberbas. O mesmo amigo disse-me hoje que estava a passar em Santarém. Aconselhei-o a parar de imediato e a fazer uma visita gastronómica à Taberna do Quinzena. É este o tipo de pessoa que sou agora, com tiques de alarve.

domingo, 11 de janeiro de 2015

sábado, 10 de janeiro de 2015

"Ficámos por momentos em silêncio, a escutar os barulhos do corredor, dos carrinhos, das vozes. Depois Darius disse, as mulheres apossaram-se do papel do mártir. Representam-no em voz alta. Gemem e queixam-se. Quando, na realidade, o verdadeiro mártir é o homem. Quando ouvi aquilo, voltei a pensar na frase do meu amigo Serge, logo no início do seu Alzheimer. Ele queria ir, não sei por que razão, à Rua do Homem Casado. Ninguém sabia onde ficava tal rua. Acabámos por perceber que ele falava da Rua dos Mártires. Contei a piada a Darius que o conhecia de vista. Perguntou-me, como é que ele vai? Eu respondi, vai indo. O que não se pode é contrariá-lo, eu dou-lhe sempre razão. Darius acenou com a cabeça. Fixou um ponto do teto na direção da porta e disse, essa doença é maravilhosa."

Yasmina Reza

Já há um cheirinho a Correntes no ar...

"Treze obras de poesia, com uma dupla nomeação para José Tolentino Mendonça, são finalistas do Prémio Literário Casino da Póvoa, atribuído no âmbito do encontro Correntes d’Escritas, anunciou esta sexta-feira a organização."
 


Dez anos depois, volto aos bons autores franceses. Pelo puro prazer de ler Yasmina Reza. Um deleite que merece partilha.

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Fui acusada, durante os treinos, de não conseguir fazer os exercícios convenientemente por andar a ver em demasia a RTP2. Tudo no seguimento de uma publicação no Facebook a propósito da nova programação do canal. Concluo que, neste mundo, não se acredita em mulheres que sejam em simultâneo inteligentes e saradas.

domingo, 4 de janeiro de 2015

Estava a mostrar a uma amiga algumas fotos no Instagram. Ela surpreendeu-se com o número de fotos de miúdas fit que por lá viu. Tive de lhe explicar que tinha a secreta esperança que as coisas se dessem por osmose, eventualmente, por telepatia.